BrasilDestaque

Ator tocantinense Paulo Vieira chama a Polícia Civil de assassina, após operação em Jacarezinho

O ator tocantinense, Paulo Vieira, por meio das suas redes sociais expressou sua revolta quanto a operação que aconteceu na última quinta-feira, 6,  em Jacarezinho, Rio de Janeiro.

O ator  publicou uma foto por meio da sua rede social (Instagram) e na legenda afirmou que a operação foi feita sem embasamento, sem motivo. “Ontem a polícia entrou na favela do #jacarezinho e matou 25 pessoas. Sem nenhum motivo/embasamento legal, executou moradores. A operação policial mais mortal da história”, disse Vieira. 

O post logo foi retirado por ir contra as diretrizes da comunidade do Instagram, além de gerar grande revolta por parte dos seus seguidores que alfinetaram o ator por ter afirmado ser uma operação sem embasamento. 

[relatedposts]

Um seguidor, então, questionou a publicação “Sem nenhum motivo?  como assim? Paulo, era uma operação da polícia civil, que estavam em investigação há meses, foram mandados de busca de dados por um juiz, todos de facção, altamente armados, com vários homicídios nas costas, pelo amor de Deus, se informe!!!”, comentou. Outro seguidor (a) publicou, “Estranho é , vc não comentar sobre o aliciamento de menores…”

Credibilidade x Manipulação: Globo retira Revista Época de circulação

Operação  Exceptis

A Operação chamada de  Exceptis investigava o aliciamento de crianças e adolescentes para ações criminosas, como assassinatos, roubos e sequestros de trens pelo crime organizado.  A ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), era para suspender operações policiais em favelas durante a pandemia de COVID-19 no Brasil, onde só poderia acontecer em “hipóteses absolutamente excepcionais”. 

Em entrevista coletiva, a Polícia Civil confirmou o número de mortes (25 pessoas) e a prisão de 6 (seis), dentre elas três tinham mandado de prisão expedido. A operação resultou na apreensão de 16 pistolas, seis fuzis, uma submetralhadora, 12 granadas e uma escopeta calibre 12. 

“Foi possível caracterizar a associação dessas pessoas com a organização criminosa que domina a região, onde foi montada uma estrutura típica de guerra provida de centenas de ‘soldados’ munidos com fuzis, pistolas, granadas, coletes balísticos, roupas camufladas e todo tipo de acessórios militares”, afirmou a polícia durante a coletiva de imprensa.

Prefeitura de Palmas prossegue com vacinação nesta sexta, 07, para pessoas com comorbidades

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Enviar Mensagem
Envie seu conteúdo agora!
Envie seus flagras e suas denúncias para a redação do Pauta Notícias.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios