BrasilFeatured

Ministro da Justiça manda abrir inquérito contra autores de outdoors contra Bolsonaro instalados em Palmas

Outdoors espalhados por Palmas, em agosto de 2020, passaram a ser alvo de inquérito policial depois de um ofício assinado pelo ministro da Justiça, André Mendonça. As publicações espalhadas pela capital do Tocantins diziam “Bolsonaro não vale um pequi roído”, que o presidente “mente”, entre outras frases contrárias ao chefe do executivo e que criticavam, sobretudo, as políticas de combate à pandemia adotadas pelo Governo Federal até então.

A investigação criminal veio à tona na segunda-feira (15/3) depois que o Jornal do Tocantins publicou detalhes do processo administrativo que, até então, corria em segredo. Fontes ligadas ao ministério confirmaram a informação ao Correio nesta quinta-feira (18/3).

No documento, cujo assunto é “Suposto crime contra a honra do presidente da República”, há uma ordem direta do ministro para que o diretor-geral da Polícia Federal inicie a investigação “com vistas à imediata apuração do crime”. Apesar disso, o mesmo ofício cita, logo no parágrafo anterior, que a PF apresentou parecer contrário à abertura do inquérito, assim como o Ministério Público Federal.

 

[relatedposts]

Segundo informações do portal Uol, que acessou o documento completo da investigação, a Diretoria de Inteligência Policial da PF (DIP-PF) tomou o depoimento dos investigados em janeiro deste ano por videoconferência. Eles são o sociólogo Tiago Costa Rodrigues, de 36 anos, e o microempresário Roberval Ferreira de Jesus, de 58. A diretoria ainda monitorou o perfil de Tiago Rodrigues no Twitter e anexou diversas postagens ao inquérito.

 

Primeira representação e arquivamento

Bem antes de chegar ao alto escalão da Esplanada dos Ministérios, o caso havia sido levado às autoridades nacionais e locais pelo ex-candidato a vereador de Palmas, Celso Montoia Nogueira. Na época, ele alegou que a frase “Bolsonaro não vale um pequi roído” era desrespeitosa com o atual presidente e excedia o direito à crítica. Isso porque a expressão é associada na região a “alguém que não presta”, como explicitou o advogado de Nogueira na petição inicial.

Apesar da alegação, as reclamações foram arquivadas graças ao entendimento de que as mensagens não se enquadrariam em nenhum crime previsto em lei. Como o Código Penal afirma que, em caso de suposta injúria contra o presidente, o ministro da Justiça tem a palavra final sobre a apuração, a procuradoria enviou os autos para que Mendonça tivesse ciência da decisão. Foi quando ele contrariou a argumentação das duas equipes técnicas e determinou o prosseguimento das investigações.

Defesa

A divulgação do processo gerou comentários solidários a Rodrigues e Jesus nas redes sociais. Nas mensagens, muitas pessoas comparam os outdoors a manifestações feitas contra os governos anteriores. Outros também questionam a necessidade de se utilizar recursos públicos em uma investigação como essa enquanto o Brasil vive o momento mais duro da pandemia de Covid-19.

Com informações Correio Braziliense

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Enviar Mensagem
Envie seu conteúdo agora!
Envie seus flagras e suas denúncias para a redação do Pauta Notícias.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios